6 de out de 2012

Dolorosa Busca

Conto: Jean Michel Silva
Ilustração: Bruno Oliveira


- Maldição
O sol insistia em entrar pelas frestas da janela encardida pelo descuido. Que horas eram? Já não importava. Nada importava naquele momento. Os passos apressados da vizinha de cima a fizeram despertar.

- Maldita

Correu as mãos pela penteadeira ao lado. Acreditava que com os olhos fechados limitaria sua visão. O esmalte forte e vermelho brilhava na luz daquela manhã – mas ela não via, não enxergava o brilho que sempre era ofuscado pela sombra que colocara diante da vida. No passeio das mãos, brancas e bem cuidadas, pode identificar algumas garrafas, animou-se. Apressadamente correu em direção a sua bebida – procurando pelos vestígios da noite anterior. Um copo espatifou-se.

- Inferno

Ainda de olhos fechados insistia em procurar… Nem ela mesma sabia qual era o objeto da busca – mas não desistia. Com uma velocidade quase que animalesca, corria com os dedos tentando agarrar o invisível. Precisava preencher o que estava seco. A secura a consumia internamente, a destruía como fogo em palha, como pedra em vidro fino. Pedra jogada em cristal puro. Por não encontrar o que buscava agarrou o que estava ao seu alcance. Abriu uma garrafa de whisky vagabundo já pela metade e colocou em seus lábios. Apesar de não ver, ela sentia. Passou a mão pelo frasco como quem busca por um pensamento que fugiu . Fechou os punhos e começou a movimentar sua mão como se masturbasse o litro de grossa espessura. Com o movimento, a princípio suave – porém rápido – o líquido começava a escorrer facilitando o vai-e-vem obsceno.

Pode sentir que seu seio estava enrijecido, mas não viu. Não olhou. Sentiu. Os mamilos ficavam agora bem delineados em uma belíssima camisola vermelha. Corpo torneado, corpo de mulher feita. Entre um movimento e outro ousava tocar a garrafa com seus lábios. Lambia com tesão o whisky da noite passada. Passava os lábios, consumia o álcool que lhe deixava viva.

Sem pudores e livre de qualquer amarra, desceu sua mão vagarosamente e quando se deu conta, encontrava com seu próprio prazer. Num ritmo inconstante, intercalava longos goles da bebida com uma massagem excitante. Gemeu. Livrou-se de qualquer pensamento e foi assumidamente egoísta: naquele momento era ela que estava em cena.

O sol já havia caminhado do lado de fora, levando a luz para onde antes não era iluminado. Ela sentia. Agora suas coxas estavam quentes. Num gesto não planejado, desceu com a garrafa. Hesitou em um primeiro momento, mas acabou cedendo a sua verdadeira vontade. Penetrava agora cada centímetro da garrafa , ainda aberta, em si mesma. Gemeu. A dor e o prazer se confundiam. Estava ardendo. Queimava por dentro.

Enfiava cada vez mais fundo, e sentia-se rasgada por dentro. Sentiu algo quente escorrer, mas não se preocupou. Deixou escorrer, deixou correr, porque algumas coisas precisam ser expurgadas, porque precisava ser liberta – então se exorcizava.
A garrafa já estava pela metade e o prazer era quase pleno. Mordia a boca, tirou sangue dos lábios. Afundava os dentes em si mesma tentando engolir o que era. Líquido.

Quando sentiu que havia chego ao seu limite, parou repentinamente. O lençol manchado em tom de papel antigo trazia muito da cor do seu esmalte – porém, menos vibrante e, agora, menos vivo. Levou as duas mãos até seu rosto, aproximou-as dos lábios e as lambeu canibalmente.

Havia chego no limite, mas se viu insatisfeita. O prazer poderia ser maior, o tesão poderia aumentar – e não relutou. Passou as mãos agora molhadas com whisky e seu sangue vermelho e grosso pela penteadeira. Encontrou um maço de cigarros já no final – era o último. Sentiu uma alegria imensa, era o último. De olhos fechados riscou o fósforo e o acendeu. Deu um tragada profunda e segurou a fumaça o máximo que pode. Fumava com uma mão e se tocava com a outra, numa perfeita sincronia, num ritmo invejável.

Quando viu que o cigarro se aproximava do fim o lançou para longe. Apesar de estar acabado, fumado até o filtro, até o fim, ainda acreditava que a pertencia. Então jogou longe, mas ao alcance das mãos.

Se aproximava cada vez mais do prazer que buscava, da recompensa perdida que acreditava merecer. Enfiava, mais e mais, a garrafa em seu interior. Pode ouvir a pele ceder e o sangue escorrer entre as coxas. Encontrava o que havia perdido, encontrava com o que desde o princípio havia procurado. E num ritmo agora, inconstante e tortuoso, se tocava e tinha prazer em ouvir e sentir sua pele rachando.
O sol não se movimentou novamente, mas a luz havia aumentado. Um calor descomunal tomava conta de seu corpo, de sua alma e de seu quarto. Ouvia o estalar de madeira velha, sentia o cheiro da fumaça – densa, preta e carregada. E enfiando o garrafa de whisky até a máxima profundidade de seu corpo, suspirou.

- Encontrei.

Bruno Oliveira
Seus trabalhos podem ser visualizados no site: www.flickr.com/oitoart.

Jean Michel Silva
Site pessoal: about.me/jeeanmichel


Nenhum comentário:

Postar um comentário