18 de mai de 2012

Espalha Esperma – Parte 2

Texto: Detetive Linhares
Ilustração: Daniel Gonçalves





Trajano Reis esquina com Paula Gomes. Putas, traficantes, bêbados, zumbis, vampiros, viciados de todos os tipos...
- Toda a escória reunida...
Ruazinha maldita. Já peguei uma meia dúzia de safados por aqui, e sempre que venho a esse lugar tenho vontade de matar mais meia dúzia. Estacionei o Inércia perto do Torto Bar na Paula Gomes. Uns idiotas se aproximaram, mas eu não estava à altura dos meus amigos.
- Detetive Linhares, que sastisfação revê-lo!
Um sujeitinho magrelo, zumbizaço da região. O pessoal aqui do bar o chama de Fórtiunaine, por causa do número da sua casa, 429. É um cara bacana, mas quando manda uma pedrinha pra cabeça se torna o superhomem e acha que pode saí falando com todo mundo como se fosse o Bruce Willis. Não estou brincando! Ele reproduz falas do Bruce dos filmes de ação, por isso o pessoal do bar deu esse apelido pra ele em inglês. O cara é um figuraça, mas hoje eu não tenho tempo pra piadinhas.
- Não me encosta, Bruce.
- C`mon, dude! What`s up?
- Tô atrás de um cara assim assado...
- Humm... I know man... So, what you think about... i can help you, hã?
E deu uma piscadinha com o olho direito. Detesto caras que depois que falam com um jeitinho malandrinho dão uma piscadinha com o olho direito. Parece que eles querem reforçar a besteira que estão falando. Apertei o pescoço dele.
- Escuta aqui seu idiota! Eu tô tentando pegá um filho-da-puta que tá aí pela região, então sai da minha cola com esse teu jeitinho idiota de falá...
É óbvio que começou a juntar gente em volta desse papinho. Os zumbis vieram socorrer o Fórtiunine. Sabe aquele segundo de lucidez? Botei o 429 no chão.
- Ok, Bruce. Você pode me ajudá.
Ele levantou engasgando. É um sujeitinho que conhece muita gente por aquelas ruas. Talvez ele me leve mais rápido ao Espalha Esperma.
- You bastard, man! But it`s ok. I like you, and i know you like me.
Ele pensou uns dois segundos. Então, veio falar baixinho no meu ouvido.
- Cê tem uma pedrinha aí?
Eu sinalizei que sim. Ele abriu um sorrizão. Faltava pelo menos uns oito dentes ali dentro, e o resto somado não dava dez. Ele gritou baixinho pros amigos dele.
          - Let's go gang, let's give a little help for my friend.
          Eu já estava saindo em direção ao Blues quando um vento frio atravessou a minha espinha. Me lembro que a vovó sempre dizia que quando isso acontece, é a Morte querendo se anunciar, mas, tadinha da vovó, não sabe de nada. Na verdade, senti que alguém dentro do bar, encostado na mesa de sinuca, me observava. Parei. Senti o coração batendo dentro da garganta. Levemente passei a mão na Jéssica. CLÉC! Engatilhei. Ela ficou feliz. Bem devagar eu fui virando a cabeça pra ver quem era o cara que eu já sabia quem era: O Doutor.
          O velho safado estava encostado na única mesa de sinuca do bar pra que ninguém pudesse jogar. Ele odeia aquele barulho de bolinhas se chocando, e caras bêbados brigando com os tacos... Ele jura que isso é desperdício, pois geralmente quebra o bar inteiro. E ele tem razão. Então, ele faz isso pra que ninguém o incomode.
Como eu sempre o imaginei: com aquele seu velho terno bege escuro, camisa com três botões abertos, correntinha de prata, vários anéis nos dedos, uma Heinekken em cima da mesa, e uma cachaça nas mãos. Ele entornou um gole da marvada e abriu um sorriso. Eu continuei sério. Já estava puxando a Jéssica pra fora do casaco quando ele fez um sinal negativo com a cabeça. Nos olhamos por meros milésimos de segundos. Flashback de uma parte das nossas vidas que ainda não foi contada. Um brilho nos olhos d`O Doutor iluminou a noite. Tudo congelou nesse milésimo de segundo. Como numa enxurrada, tudo voltou ao normal. Virei pra frente e segui pela rua em direção ao Blues Velvet.
O resto da gangue do Fórtiunaine se espalhou pelas ruas da região. São experts em se movimentar no escuro. Esse tipo de gente vive assim, da escuridão. Se alimentam da energia das pessoas que não são desses ambientes e que querem se transformar em heróis da noite, boêmios, falsos profetas, que vão arrotar durante o dia as façanhas que cometeram na noite anterior. Não passam de pobres coitados, pois mal sabem que estão sendo sugados, levados pro outro mundo, pro lado desses vampiros, e que não vão retornar, pois bem dizia um amigo de um amigo que eu conheci há alguns anos: “Cara, a gente tem que saber entrar e sair da festinha”.
O 429 disse que me encontraria no bar em uma hora.

Detetive Linhares
Seus textos e contos podem ser visualizados no site: detetivelinhares.blogspot.com.br

Daniel Gonçalves
Radicado em Curitiba, casado com Amarilis e pai de Leon, Layla e Alice. Teve toda sua vida permeada pela paixão à literatura, artes visuais e música.  Atual editor da revista LODO e co-editor da revista LAMA.
Paralelamente aos trabalhos artísticos, desenvolve projetos de arquitetura e design. 
Seus trabalhos podem ser visualizados no site www.danielgoncalves.art.br.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário